36 ANOS
AO SERVIÇO DA FORMAÇÃO

CURSO LABORAL

Ventilação, Climatização, Captação de Poluentes na Industria e Controlo da Poluição Atmosférica - Enquadramento Legal

Porto / Gaia, 25 e 26 de Setembro de 2017

INTRODUÇÃO

Ventilação
 
A Ventilação é um processo de renovação do ar de um dado espaço, através de meios naturais ou mecânicos.
Quanto mais puro for o ar, isto é, mais rico em oxigénio, melhor se desenvolvem as combustões internas do organismo e mais facilmente são eliminados os gases resultantes dessas combustões, expelidos pela respiração.
Sabe-se, por experiência também, que quando se reúnem várias pessoas num local privado de renovação conveniente de ar, ao fim de pouco tempo surge a sensação de mal-estar.
 
É certo que nem todas as pessoas se comportam do mesmo modo mas, mesmo as de melhor constituição sentem os efeitos nocivos duma atmosfera viciada.
 
Climatização
 
Climatização é o termo genérico que designa o processo de tratamento de ar ou a forma de fazer alterar, isoladamente ou conjuntamente, a temperatura, a humidade, a qualidade e a velocidade do ar num local no interior de um edifício.
Inclui, portanto, as funções de aquecimento, arrefecimento, humidificação, desumidificação filtragem e ventilação. Se todas estas 6 funções poderem ser activadas de forma conjugada, corresponde ao termo de climatização.
 
Os sistemas de AVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado) são uma das grandes subespecialidades da engenharia mecânica. O objectivo do projecto de sistemas de AVAC é o de “equilibrar” o conforto ambiental com outros factores como os custos da instalação, a facilidade de manutenção e a eficiência energética. A especialidade de AVAC inclui uma série de termos, alguns dos quais, são sumarizados neste curso.

Captação de Poluentes na Industria e Controlo da Poluição Atmosférica
 
Os vapores, gases e poeiras contidos no ar captados com dispositivos estudados devem ser removidos do mesmo, a fim de que ele possa ser libertado na atmosfera ambiente ou exterior devidamente purificado sem que ofereça, portanto, riscos à saúde das pessoas e danos ecológicos
DESPOEIRAMENTO, é, antes de mais, captar as partículas sólidas em suspensão no ar e dirigi-las para um aparelho separador, que com maior ou menor eficiência, assegurará a separação AR-POEIRAS, retendo as poeiras e libertando o ar no ambiente em condições respiráveis.
A deslocação forçada das poeiras é efectuada por um ventilador através das condutas de transporte.
 
Para ser eficaz, uma instalação de captação necessita da determinação correcta de diversos parâmetros (velocidade de captação dos poluentes, caudal, velocidades de captação e de transporte, etc.) que são directamente dependentes das características da poluição do posto de trabalho.

OBJETIVOS

No fim do Curso, os Formandos serão capazes de:
 
Ventilação
  • Distinguir os diferentes processos de ventilação; ventilação ambiente e localizada
  • Ter conhecimento do valor mínimo de renovação de ar por espaço, em função da sua utilização e do tipo de fontes poluentes nele existente.
  • Seleccionar o ventilador adequado em função dos critérios de selecção, tais como;
    - O tipo de local
    - A classe de fluido a transportar e as suas características
    - A configuração da instalação
    - Caudal e pressão, necessários
    - Nível acústico admissível.
    - Tipo de alimentação
  • Ter noção do conceito de “varrimento do local”
  • Ter noção de captação localizada
  • Detectar os erros mais comuns nas renovações de ambientes
  • Efectuar cálculos simplificados de instalações tipo.

Climatização
  • Distinguir os diferentes tipos de aquecimento mais utilizados nos diferentes locais de permanência de pessoas.
  • Seleccionar o grupo térmico adequado para o fim desejado e em função do respectivo combustível a utilizar.
  • Proceder à escolha e dimensionamento dos respectivos emissores térmicos
  • Regulação e controlo das instalações
  • Distinguir os equipamentos adequado aos diferentes tipos de instalações de Ar Condicionado.
  • Seleccionar o modelo de aparelho que melhor se adapta ao local pretendido
  • Dimensionar uma instalação de AR CONDICIONADO através do cálculo simplificado das cargas térmicas do respectivo local.
  • Distinguir os diferentes tipos de Bombas de Calor
  • Ter conhecimento do seu funcionamento e dos respectivos componentes

Captação de Poluentes na Industria e Controlo da Poluição Atmosférica
  • Distinguir os diferentes tipos de poluentes nocivos (poeiras) que se libertam nos diferentes postos de trabalho das diversas indústrias, nomeadamente, na indústria da madeira, na indústria metalúrgica e metalomecânica, nas indústrias químicas, e outras.
  • Seleccionar o separador mais adequado ao tipo de poeira e às suas características físicas, nomeadamente, granulometria, higroscopia, electrização, temperatura, etc.
  • Avaliar as velocidades adequadas para a sua captação no local da sua formação e o seu transporte através da respectiva conduta.
  • Cálculo simplificado de sistemas de aspiração.

PROGRAMA

VENTILAÇÃO
 
1. Noções Gerais
2. Tipos de ventilação
3. Processos de ventilação
4. Partes principais de uma instalação de ventilação
5. Funcionamento da instalação

    Critérios de selecção do ventilador:
         - Do tipo de local
         - Das características do fluido a transportar
         - Da configuração da instalação
         - Do caudal e pressão necessários
         - Do nível acústico admissível
         - Do tipo de alimentação eléctrica
 
     Redes de distribuição;
         - Seu traçado
         - Dimensionamento das condutas
         - Disposição das bocas de introdução e de evacuação do ar
         - Regulação e controlo
6. Erros mais comuns nas instalações de ventilação
 
 CLIMATIZAÇÃO
 
Aquecimento
 
1- Noções Gerais
2- Formas de transmissão de calor
3- Sistemas de aquecimento
4- Termo ventiladores
5– Instalaçõesaquecimento

 
Ar Condicionado
 
1. Generalidades
2. Cálculo de cargas térmicas
3. Cálculo de condutas
4. Instalações de Ar Condicionado
5. Eficiência energética dos edifícios
6. A Bomba de Calor (B C) – Descrição e seu funcionamento
7. COP - Coeficiente de desempenho ou factor de ganho
8. SPF - factor de desempenho sazonal ou factor de desempenho do sistema de B C
9. Tipos de Bombas de calor e sua aplicação
10. Combinação de Tecnologias - Energia Solar e Energia Geotérmica com B C.

 
Psicrometria
 
1. Padrão psicrométrico para processo de aquecimento e arrefecimento
2. Arrefecimento e aquecimento sensível e latente
3. Arrefecimento evaporativo
4. Mistura de ar
5. Entalpia
6. Processos de pulverização de água

 
Captação de Poluentes na Industria e Controlo da Poluição Atmosférica
 
1- Generalidades
2- Ventiladores
3- Separadores
4- As condutas
5- Acessórios
6- A captação de partículas nalgumas indústrias
7- Cálculo simplificado de sistemas de aspiração

 
ENQUADRAMENTO LEGAL
 
Legislação anterior
• (RCCTE Dec_Lei 80_2006)
• (RSECE Dec_Lei 79_2006)
 
Legislação actual
Decreto-Lei n.º 118/2013
Decreto-Lei n.º 28/2016
 
Sistema Certificação Energética dos Edifícios (SCE), que integra o Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Habitação (REH), e o Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Comércio e Serviços (RECS).
 
Decreto-Lei n.º 102/2010, de 23 de setembro, que estabelece o regime da avaliação e gestão da qualidade do ar ambiente,
Decreto-lei n.º 173/2008, de 26 de Agosto, que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados da poluição,
Decreto-Lei n.º 242/2001, de 31 de Agosto, relativa à limitação das emissões de compostos orgânicos voláteis resultantes da utilização de solventes orgânicos em certas actividades de instalações;
Decreto-Lei n.º 178/2003, de 5 de Agosto, que estabelece limitações às emissões para a atmosfera de certos poluentes provenientes de grandes instalações de combustão (GIC
Decreto-Lei n.º 85/2005, de 28 de Abril, que estabelece o regime legal da incineração e co-incineração de resíduos
Decreto-Lei n.º 181/2006, de 6 de Setembro, que estabelece o regime de limitação das emissões de compostos orgânicos voláteis (COV) resultantes da utilização de solventes orgânicos em determinadas tintas e vernizes e em produtos de retoque de veículos,
O Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril, é regulamentado através dos seguintes diplomas legais:
Portaria n.º 286/93, de 12 de Março, que fixa os valores limites e os valores guias no ambiente para o dióxido de enxofre, partículas em suspensão, dióxido de azoto e monóxido de carbono, o valor limite para o chumbo e os valores guias para o ozono;
Portaria n.º 1387/2003, de 22 de Dezembro, que introduz medidas de segurança e controlo relativas ao uso do coque do petróleo pela indústria;
Portaria n.º 263/2005, de 17 de Março, que fixa novas regras para o cálculo da altura de chaminés e define as situações em que devem para esse efeito ser realizados estudos de poluentes atmosféricos;
Portaria n.º 80/2006, de 23 de Janeiro, que fixa os limiares mássicos máximos e mínimos de poluentes atmosféricos.
Portaria n.º 675/2009, de 23 de Junho, que fixa os valores limite de emissão de aplicação geral (VLE gerais) aplicáveis às instalações abrangidas pelo Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril;
Portaria n.º 676/2009, de 23 de Junho, que vem substituir a tabela n.º 3 do anexo à Portaria n.º 80/2006, de 23 de Janeiro, que fixa os limiares mássicos máximos e mínimos de poluentes atmosféricos;
Declaração de Rectificação n.º 63/2009, de 21 de Agosto, que rectifica a Portaria n.º 676/2009, de 23 de Junho;
Portaria n.º 677/2009, de 23 de Junho,

INTERESSA A

Projectistas com funções em gabinetes de projectos nas áreas da AERODINÂMICA E TERMODINÂMICA, nomeadamente o AVAC e e DESPOEIRAMENTO de instalações fabris. Responsáveis pela manutenção dos equipamentos de AVAC e DESPOEIRAMENTO de empresas afins. Quadros responsáveis da manutenção das instalações industriais com equipamentos de AVAC e DESPOEIRAMENTO nas empresas onde laboram. Todos os interessados em aprofundar o seu conhecimento neste tema.

MÉTODOS DE EXPOSIÇÃO

Durante a exposição serão referidos sempre que possível casos práticos específicos das diferentes situações
Participação das Empresas presentes:
Que pretendam mostrar características dos equipamentos que fabricam nesta área
Que pretendam colocar problemas concretos com que se deparam na sua indústria
Que pretendam colocar questões pertinentes de interesso geral
 
 

MONITOR(A)

Carlos Martins Pereira, Eng.

Licenciado em Engenharia e Gestão Industrial. Bacharel em Engenharia Mecânica. Curso de Especialização, no Instituto Superior de Formação NEU, em Lille - França, nas Áreas de Climatização, Ventilação, Condicionamento de Ar Têxtil, Arrefecimento de Águas, Despoeiramento, Transporte Pneumático, Captação Destroçamento e Recuperação de Desperdícios, Limpeza Centralizada por Vácuo e Gestão de Energia. Sócio Gerente da Empresa Aerotermo, Lda., de Estudos, Projectos e Montagens de instalações industriais nas áreas da Aerodinâmica e Termodinâmica. Sócio Gerente de Aerovouga, Lda., do mesmo ramo e  Vento Domável, Lda, esta vocacionada para as energias renováveis, eólica, solar e fotovoltaica. Foi Formador do Módulo "Climatização", na Escola Secundária Fontes Pereira de Melo, no Porto, no âmbito do Curso "Frio e Climatização". Formador na APIRAC - Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado, no âmbito dos cursos "Técnico de Sistemas de Climatização" e "Técnico de Electricidade Aplicada à RAC". Formador no IEFP do Porto - Instituto de Emprego e Formação Profissional no âmbito do Curso Técnico de "Refrigeração e Climatização". Formador no ISQ do Porto - Instituto de Soldadura e da Qualidade, no âmbito dos Cursos "Técnico de Equipamentos Domésticos" e "Reparação e Instalação de Equipamentos AVAC". Autor da Publicação "Tecnologia da Climatização". Responsável por Instalações Industriais de Ventilação/Climatização e Despoeiramento/Transporte Pneumático realizadas em mais de 60 Empresas.

LOCAL

HOTEL HOLIDAY INN PORTO GAIA
Rua Diogo de Macedo, 220
4400-107 Vila Nova de Gaia
Tel:  223 747 541
Fax: 223 747 576

Junto ao CTT das Devesas

HORÁRIO

Dia 25 e 26 de Setembro
 
08:45 – 09:00   Recepção (dia 25)
09:00 – 11:00   Curso               14:00 – 16:00
11:00 – 11:30   Coffee-breaks   16:00 – 16:30
11:30 – 13:00   Curso               16:30 – 18:00
13:00 – 14:00   Almoço

PREÇO

O valor da inscrição é de € 440 (+23% IVA), pagável ao CENERTEC até à data de realização do Curso e inclui: 
  • Acesso à Documentação de Apoio
  • Certificado de Frequência
  • Coffee-breaks
  • Almoços
  • Estacionamento gratuito no hotel

Partilhe esta informação:

Carlos Martins Pereira, Eng.

Dados de Faturação:
Pagamento (até à data da realização da Formação)
Como teve conhecimento desta Formação?

2016 © Cenertec - Centro de Energia e Tecnologia
Developed by Inovlancer